Arquivo da tag: Luciano Ayan

Lutero, o esquerdopata

A última moda entre os conservadores de galinheiro, apelidados de reacionários ou de neo-cons, é assumir uma postura simultaneamente conservadora e religiosa do ponto de vista sócio-cultural e libertária do ponto de vista econômico.

Continuar lendo Lutero, o esquerdopata

Anúncios

ATENÇÃO! Blogueiro neo-pentecostal que finge ser ateu dessa vez incentiva seus leitores cristãos a injuriar!

Há algum tempo atrás, o blogueiro Luciano Henrique, cujo verdadeiro nome é desconhecido (prova de sua falta de credibilidade), dono do blog Luciano Ayan e que é um cristão neo-pentecostal fervoroso que finge ser ateu, já havia tentado incentivar seus leitores cristãos a mentir em debate, como denunciei no meu post ATENÇÃO! Blog “ateu” vergonhosamente tem tentado ensinar religiosos a mentir em debate. Na época, ele tentou se salvar com uma defesa ambivalente, ora dizendo que agendar notícias de maneira deliberada era mentir, ora dizendo que não era bem assim.

E agora ele está de volta! Continuar lendo ATENÇÃO! Blogueiro neo-pentecostal que finge ser ateu dessa vez incentiva seus leitores cristãos a injuriar!

ATENÇÃO! Blog “ateu” vergonhosamente tem tentado ensinar religiosos a mentir em debate

Há um certo tempo, decidi começar a ignorar o blogueiro sobre o qual vou falar hoje, mas  me sinto obrigado a abrir uma exceção. Contudo, não viso discutir com ele, mas sim alertar seus leitores sobre o tipo de pessoa que ele é. Tanto é que essa crítica não precisa ser feita necessariamente do ponto de vista ateu e acredito que a maioria dos religiosos irão reprovar a conduta deste “ateuzinho de internet” tanto ou até mais do que eu ou qualquer outro ateu. (Entro assim na brincadeira dele de dizer que virtualmente toda crítica à Bíblia pode ser vista como um equívoco até mesmo por um [auto-intitulado] “ateu tradicional”).

Mas o que o “inseto que mente em proporções bíblicas” andou aprontando? Para começar, peço que leiam esse post recente dele: Rotina neo-ateísta: Um religioso por todos, todos religiosos por um, cuja ideia central pode ser resumida nessas citações:

Esta é uma rotina cuja refutação não surtirá efeito, portanto, em um contexto de guerra política, a única solução é mimetizá-la, isto é, fazer com o lado oponente o mesmo que ele faz com o seu lado.

Basicamente, a ideia é pegar a ação de uma pessoa da religião tradicional, e citar, logo em seguida, que “isso é resultado da religião”, o que significa atribuir à religião tradicional como um todo as culpas desta pessoa. Note que isso torna muito abrangente a “malha” de ataques que podem ser feitos à religião tradicional, pois em um país de 200 milhões de habitantes, sendo que 80% pertencem à religião tradicional, existe um grande número de pessoas que podem cometer deslizes de diversos tipos, incluindo: pedofilia, traição ao marido, interpretação bizarra de suas doutrinas, etc.

[…]

Sites como Paulopes, por exemplo, vivem de executar esta rotina,

Antes de mais nada, é engraçado como ele considera o abuso sexual de menores de idade como um mero tipo de deslize. OK. Fico imaginando o que seria um crime bárbaro para ele… talvez serrar uma cruz com uma motosserra seja hediondo o suficiente para deixar de ser mero deslize. Mas desculpem-me, acho que já estou apelando a exemplos fortes e repulsivos demais.

Aliás, que se dane, se é para apelar, chuto logo o balde. O imbecil acha que a pedofilia cometida por alguns padres é mero deslize, mas cortar uma cruz com uma motosserra é um ato vil comparável ao anti-semitismo nazista!! (Duvidam? Vejam isso aqui: Como o caso do Femen em aliança com os neo ateus comprova que o neo ateísmo é igual ao anti-semitismo nazista (ou até pior) e comprovem.) Em que realidade moral esse ser flutua?

Enfim, vamos ao que interessa. Notemos que aquilo que o Luciano chama de “estratégia esquerdista humanista maquiavélica malvada do mal mas que devemos fazer igual” nada mais é do que a boa e velha falácia da generalização apressada. Se aplicada de maneira consciente ou não, é uma falácia e todos num debate estão sujeitos a cometê-la. O fato é que não acredito que hajam pessoas incapazes de usar falácias em seus discursos, mesmo as mais bem preparadas e bem intencionadas, então não acredito que conservadores não a usem. Muito menos creio que haja sequer um deles que seja incapaz de agir assim propositalmente. Talvez o próprio Paulopes já tenha agido assim pelo menos uma vez, não duvido, mas não tenho porque crer que seja um comportamento comum dele a menos que o acusador cumpra com seu ônus e me traga as provas. Aliás, uma boa prática para o Luciano Henrique seria colocar links como prova do que diz, senão fica somente a palavra dele.

Mas suponha que eu assuma, pelo Princípio da Caridade (que pede que eu dê ao meu adversário o benefício da dúvida) e por fins meramente argumentativos, que o Paulopes seja um antro de Generalizações Apressadas conforme é acusado de ser, e até mais do que isso, que ele não faz sem querer, mas sim de propósito. A verdadeira pergunta é: isso justifica uma resposta na mesma altura? Os conservadores devem responder ao Paulopes e a outros ateus usando a mesma estratégia da Generalização Apressada intencional?

Quando o Luciano pede para seus leitores agirem assim, ele está pedindo para que eles MINTAM. Exatamente isso. Pede para que eles usem uma falácia de modo deliberado, numa atitude que seria claramente movida por pura vingança barata se não fosse mais provável que seja uma mentira para justificar que se conte outras mentiras. E nem adianta ele alegar que colocou aquilo ali por mera força de expressão, pois ele mesmo aparentemente tinha usado no post anterior: O recalque e a falta de dignidade de feministas psicóticas contra evangélicas que apenas querem viver sua vida… este é o nível do esquerdismo.

O pior tipo de ser humano que podemos encontrar é aquele que perdeu sua dignidade. Este sempre será visualizado por pessoas sadias como complexado, recalcado e incapaz de viver sua vida sem incomodar os outros indevidamente. Feministas, em sua maioria absoluta, se encaixam neste tipo.

O vídeo acima mostrou uma série de mulheres evangélicas falando sobre a submissão feminina, e como esse papel deveria ser exercido (por elas). Foi o suficiente para levantar a ira de feministas, que foram na página do vídeo ofender as evangélicas.

Ou seja, se algumas feministas agem de forma agressiva, então a maioria absoluta também é assim. Vejam o mestre ensinando os discípulos suas mais requintadas (urgh) estratégias para mentir. Talvez ele tenha cometido essa falácia sem querer, mas dá para acreditar nisso, sendo que algumas horas depois ele conclamou seus leitores a agirem assim para “reequilibrar o jogo político”? Difícil, né?

Vejam abaixo um comentarista do blog dele somando 2 com 2 e dizendo que o rapaz estava ensinando a mentir. Primeiro ele responde que é algo necessário (aham!) e depois que não é exatamente mentir, mas meramente agendar as denúncias. Agendar as denúncias? Como assim? Ele se refere a fazer várias denúncias de uma vez para dar a (falsa) impressão de que esse é um comportamento generalizado? E se for, qual a diferença entre isso e mentir?

E mais, vejam ele dizendo que ateus não-humanistas são tão mentirosos quanto os humanistas. Ele deixou implícito ali que é tão mentiroso quanto alega que os humanistas são? É como se ele dissesse: “existem ateus não-humanistas [como eu] que podem atuar politicamente [mentindo igual os humanistas]”.

E não é de hoje que ele pede para seus leitores mentirem. Recentemente, ele também pediu para que seus leitores dissimulem suas verdadeiras intenções, como a de proibir o aborto em qualquer situação, só para não ficar em desvantagem eleitoral (Ele disse exatamente isso: “Sei que o aborto é uma questão dura para a maioria dos conservadores de direita, especialmente os puristas, mas qual era o objetivo: fazer uma afirmação de seus princípios ou ganhar a eleição?” como vocês podem ver no post Mitt Romney e a crônica de uma derrota anunciada e merecida.) Afinal, o político conservador deve mentir quando perguntado sobre suas políticas envolvendo aborto para enganar as mulheres e conseguir o voto delas desonestamente, óbvio!

Mas é assim que funciona o jogo dele: mentindo. Eu até diria que ele se julga tão superior ideologicamente que acredita que qualquer mentira é justificável se a verdade não fosse ainda pior: ele é só um babaca cuja única alegria da vida é atazanar os outros, é se engalfinhar na lama com outros machos. Mentir, para ele, é só uma arma para irritar os outros e manter sua vontade de continuar brigando, como bem mostrei na biografia dele aqui no blog (Luciano Ayan: uma breve biografia – de troll no orkut a “líder” conservador fake, onde vocês podem ver algumas mentiras dele que não cito aqui.) Procurando em outros posts aqui no blog (vejam o Índice da WatchGOD), poderão ver inúmeros outros exemplos.

Jairo Filipe, um reacionário português dos mais inflamados, até mesmo ele, considera Luciano Henrique um mitômano (compulsivo por mentiras), como vocês até poderiam ver em seu post “Confiar num animal predador e mitómano? Não, obrigado” se o blog ainda existisse.  Para nossa sorte, o título é auto-explicativo.

Pergunto aos leitores dele: é mesmo salutar seguir o blog de alguém que os ensina a mentir como ele ensina?

_______________________________________
OBS1: E se ele realmente ensina a mentir, mesmo que seja capaz de se justificar moralmente (algo que considero muito difícil de ser feito com sucesso nessas condições), então eu não estou contando uma mentira aqui. Ele pode, no máximo, dizer: “ok, ensino a mentir mesmo, mas vejam aqui que o faço por uma boa causa.” Quem quiser engolir esse argumento estapafúrdio, que engula, só não reclamem de mim nem deste post meu.
OBS2: Se alguém pretende devolver alguma acusação, pelo menos se dê ao trabalho de disponibilizar links que mostrem onde eu ensino as pessoas a mentir ou em que eu uso uma Generalização Apressada propositalmente.

Emerson “Apologética” Oliveira – Parte 2

A apologia é mesmo um campo vasto. Se por um lado, temos pessoas que conseguem – pelo menos – criar uma fachada de erudição, lógica, intelectualidade, respeito, seriedade e honestidade, por outro lado temos pessoas que fazem questão de andar na contramão até disso. Não que eu ache pessoas como Willian Lane Craig e Swinburne dignas de serem levadas a sério – na verdade tenho me esforçado aqui para mostrar que a grande fachada que eles possuem é só isso: apenas fachada. Duas pessoas que conseguem usar o Teorema de Bayes para concluir que a probabilidade de Jesus ter ressuscitado é virtualmente 100% apresentam um sério de sintoma de subordinação da razão à loucura.

No outro extremo da apologia moderna estão figuras como Emerson, Conde e Luciano Henrique/Snowball, que parecem atuar metade do tempo na arte da verborragia incontida e outra metade na arte de promover auto-ajuda para cristãos que no fundo sabem que os ateus estão certos. Cristãos bem-resolvidos não precisam de ver um pôster falando mal da ATEA ou do Dawkins por dia para não abandonarem o papai do céu.

A WatchGOD nasceu justamente para tratar de gente assim. Desejo que ela se torne o registro do último suspiro da apologia popular, aquela que vem do povão. Daqui alguns anos, todos vão poder ver aqui os últimos gritos dos apologistas, poderão ver como seu desespero tomou conta de seus corações ao testemunharem a secularização em massa da sociedade. Não nego que uma parte para lá de considerável do movimento evangélico atual também esteja dando um grito sufocado de dor por verem seu redor se secularizando, mas eles são sem graça e já tem muita gente para registrar. Eu quero bater uma foto é dos apologistas decadentes.

Emerson Oliveira, o Vaginética, é um excelente exemplo! Suas páginas no facebook são um antro de auto-ajuda para cristãos deprimidos. Pôsteres atribuindo a ciência ao cristianismo, por exemplo, é o que não faltam alí, como quem diz: “os ateus disseram que a ciência é deles, mas a ciência é nossa!” Lamento informar, mas a ciência não é de ninguém. A ciência nasce naturalmente nas sociedades humanas, apesar de algumas vezes ter sido reprimida. O método científico moderno teve como base a filosofia grega e só floresceu quando a Igreja Católica deixou de ser capaz de reprimir o empirismo. Ele não nasceu por causa do cristianismo, mas apesar dele. O ateísmo em si em pouco ou em nada contribuíram para o nascimento do método científico (pelo menos não atrapalharam rs), sendo que foi o primeiro surto de secularização que deu a maior contribuição.

Esse ponto de vista, obviamente, só se sustenta quando se lança mão de uma visão de mundo e de um estudo histórico tendencioso e enviesado. Historiadores como Le Goff que relativizaram a miséria das Idades das Trevas foram interpretados como brilhantes defensores da Verdadeira Era das Luzes guiada pela Santíssima Igreja Católica. Textos históricos são ocultados e quando trazidos à tona, são relativizados por um caminhão de explicações non-sense que só quem quer acreditar acredita. Tenta-se consertar mentiras contando mentiras e meia-verdades, aproveitando a existência de um mito para estabelecer o mito contrário. Vejam esse pôster do Apologética (como o carimbo dele):

Os dois únicos escritores? Que ridículo! E Severian de Gabala (380), Theodoro de Mopsuestia (350-430) e Deodoro de Tarsus (394)? Na verdade, sempre houveram cristãos que defendiam que a Terra era plana. Isso é tão verdade quanto o fato deles sempre terem sido ignorados. Natural: gente estúpida dizendo coisas que, de tão estúpidas, nem os outros estúpidos acreditam. Vejam, até hoje tem gente que a acha que a evolução é falsa (evolução e Teoria da Evolução são coisas distintas) e que realmente existiram Adão e Eva. Se daqui mil anos algum historiador pegar um livro de um padre de hoje dizendo que Gênesis era literal, sem olhar para todo o contexto, vai poder ser levado (ou induzir) à falsa conclusão de que a Igreja é contrária à evolução. Com efeito, é justamente isso o que ocorreu com a Terra Plana: Cosmos era tratado como idiota até por seus pares, e não é por acaso. Contudo, ele teve a importância de sua obra super-estimada por historiadores posteriores e até hoje muita gente acha que acreditavam que a Terra era plana. Não que os intelectuais da Idade Média negassem isso com veemência, na verdade eles só extinguiram suas dúvidas no século XII, com o trabalho de Ptolomeu. Não me entendam mal, essa dúvida não é uma acusação de ignorância, só estou a colocando aqui para que todos os fatos fiquem claros.

Outra coisa que é verdade e deve ser dita: a Bíblia não contribui em nada nessa história. Jô, por exemplo,  fala bastante sobre as origens da Terra e dá a entender que ela é firmada sobre algo, não podendo ser esférica por consequência:

9:5—7 — Ele é o que remove os montes, sem que o saibam, e os transtorna no seu furor; o que sacode a terra do seu lugar, de modo que as suas colunas estremecem; o que dá ordens ao sol, e ele não nasce; o que sela as estrelas

38:4—6 — Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Faze-mo saber, se tens entendimento. Quem lhe fixou as medidas, se é que o sabes? ou quem a mediu com o cordel? Sobre que foram firmadas as suas bases, ou quem lhe assentou a pedra de esquina

26:7—11 — Ele estende o norte sobre o vazio; suspende a terra sobre o nada. (…) Marcou um limite circular sobre a superfície das águas, onde a luz e as trevas se confinam. As colunas do céu tremem, e se espantam da sua ameaça

22:14 — Grossas nuvens o encobrem, de modo que não pode ver; e ele passeia em volta da abóbada do céu

37:18 — Acaso podes, como Ele, estender o firmamento, que é sólido como um espelho fundido?

Obviamente, desculpas é o que não faltam. Na Bíblia, existem dois tipos de passagens: as que estão certas e as que estão sendo mal-interpretadas. E com essa ideia na cabeça, as portas da imaginação estão abertas para dar novos significados a tudo que for inconveniente. Admitir que ela está errada? NUNCA! Não é atoa que digo que se os cristãos fossem levar a Bíblia realmente a sério, já teriam visto que não passa de bobeira.

Enfim, Emerson não está interessado em desfazer mitos, mas em fazer auto-ajuda estúpida e parcial e propaganda desonesta e oportunista. Incapaz de explicar de maneira clara que a questão da Terra Plana é um mito (não só dos ateus, mas de toda a sociedade), se limita a fazer um pôster mentiroso e que não trata nem 10% do assunto que se propõe a elucidar.

Mas não é só esse o problema do Emerson. Sua Ilusão alcançou níveis tão estarrecedores que agora ele acha que qualquer baboseira mal-formulada de duas linhas já é capaz de deixar qualquer ateu sem palavras:

Não é um non sequiteur, de forma alguma. Non sequiteur é uma falácia informal na qual a conclusão não se segue de suas premissas, que ocorre quando dizemos, por exemplo: “meu joelho está doendo, então hoje a noite chove.” Perguntar pela origem de Deus não é um non sequiteur, pois não há uma conclusão sendo derivada de uma premissa, então não há uma conclusão que não se segue da premissa. Tadan!! Também não é péssima filosofia, pois é uma pergunta válida de ser feita. Dizer que Deus não possui causa é uma resposta possível, mas a existência de um resposta de qualidade para lá de duvidável como essa não torna a pergunta uma péssima filosofia. Além do mais, sem sentido é o segundo quadro, completamente superficial e inofensivo, incapaz de deixar nem o ateu de internet mais abobado sem palavras. Desculpem, mas é verdade.

Mas não foi só essa não:

Outra de cair o cu da bunda. Se esse argumento estivesse correto, invalidaria simplesmente QUALQUER alegação do tipo: “o grupo X oculta informações.” Qualquer uma! Prova de que não serve para nada. O fato de um grupo ocultar informações não significa que ele seja capaz de ocultá-las de forma que ninguém possa acessá-las ou mesmo possa desconfiar que haja algo sendo ocultado. Agora, que a ICAR oculta informações, isso eu duvido. As únicas informações que ela oculta são coisas valiosíssimas como o Terceiro Segredo de Fátima (já revelaram isso, né?) e outras profecias do tipo. (Isso sem contar a lista dos padres pedófilos, mas deixa para lá rs).

A verdade é que esses quadrinhos não traduzem a realidade, mas sim expressam o desejo ardente que a mente tacanha e incompetente de seu autor tem de que a realidade fosse tão fácil quanto ele deseja. Já pensou se as bobagens mal-formuladas e hiper simplificadas que ele diz calasse qualquer ateu? É o sonho dele!!

Agora vejam essa similar:

Só um comentário: QUANTA ESTUPIDEZ! Agora eu pergunto a ele: onde está na etimologia da palavra “cristão” que eles devem se opor ao casamento gay e ao aborto? Onde na etimologia da palavra “cristão” está escrito que eles devem se opor ao comunismo? Onde na etimologia da palavra “cristão” está escrito que eles devem se opor ao ateísmo? Onde na etimologia da palavra “cristão” está escrito que eles devem se usar a ciência, além de mentir sobre sua origem para fingir que foram eles que propiciaram seu surgimento? Ah, mas faça-me o favor! Qual o sentido de fazer um pôster tão demente e inútil quanto esse?

Agora vejamos o parecer dele sobre temas mais atuais. A começar pelo “Deus seja Louvado” nas cédulas. Sobre Emerson nutrir uma admiração pueril por Luciano Henrique, inclusive trabalhando com divulgador do seu “trabalho”, isso até que vai. Mas comprar a ideia estúpida de que a estátua da república é símbolo religioso que agrada os ateus? Pfff

Ayanice detected. Querem saber o que acho dessa imagem? EU ESTOU ME FODENDO PARA ELA. E tenho certeza que falo pela enorme maioria dos ateus e dos seculares, que também estão pouco se fodendo para ela. Ela não está ali para agradar ninguém. Mas se os cristãos acham que desrespeita o estado laico, peçam para retirá-la, oras bolas! Duvido que haveria da nossa parte alguma reação à retirada desse símbolo, que de religioso não tem nada. Mas se acham que um estado laico de verdade não pode ter Mariane, tirem ela também, caralho! Se quiserem, até ajudo, porque acho ela feia. Coloquem uma foto minha no lugar, por que não? Que piada, que piada!!!

Além do mais, pergunto ao Emerson e ao Luciano Henrique: se vocês tivessem que escolher entre tirar os dois símbolos ou não tirar nenhum, qual escolheriam? Aha! Logo se vê que é só um trocadilho para fazer pirracinha de internet. Não existe absolutamente nada de sério ali. As bobagens naqueles blogs estão completamente desprendidas do mundo real, só servem para fazer auto-ajuda e manual de pirracinhas na internet.

Por fim, a morte do Niemeyer:

É impressão minha, ou Emerson está insinuando que ser ateu e comunista diminui as capacidades arquitetônicas das pessoas? Depois reclama quando os ateus fazem o mesmo. Patético, se arrastando na lama das briguinhas de internet: “o meu time tem melhores arquitetos que o se-eu lálálálá” pff Nem a Revista Veja teve a cara-de-pau de duvidar do talento de Niemeyer, e disse que ele era meio gênio e meio estúpido. Eu particularmente não admiro sua obsessão pelo concreto, mas reconheço que tirando isso ele de fato foi um dos maiores de sua classe, com certeza o maior brasileiro, e não dou a mínima para o fato dele ser ateu (se bem que ser comunista é forçar a barra rs)

Para terminar com tudo, duas imagens compartilhadas na página dele, ambas com mensagens de aprovação por parte da pessoa que compartilhou (ele jura que nem tudo compartilhado ali é ação dele):

SIM, faz sim. Cristão é quem crê em Cristo e o venera. Apologistas concordam com o extermínio praticado nas Cruzadas, mas não concordam quando um louco sai matando pessoas por motivos quaisquer. Ou seja, assassino cristão é aquele que mata quem os apologistas concordam que deve morrer. Os outros, ah!, não são cristãos de verdade! Ah tá…

E para terminar com chave de ouro:

Logos Apologética concordando que segue uma religião tão intolerável que os ateus ainda estão longe de alcançar tal nível. kkkkkkkkkkkkkkkk

Tem que rir mesmo de umas figuras como você, Mérsão. Tem que rir muito!

Pseudociência (1) Que isso?

Este post pretende fazer um link entre minha primeira fase aqui no blog e a minha terceira fase. Estou prestes a esgotar o assunto sobre ceticismo e pseudoceticismo e a entrar de vez em filosofia do conhecimento e da ciência. Como estou falando atualmente sobre pseudoceticismo, vou falar hoje sobre pseudociência, que envolve critério de demarcação – um dos principais pontos da filosofia de Popper.

A wikipedia brasileira é curta e grossa na definição: “Uma pseudociência é qualquer tipo de informação que se diz ser baseada em factos científicos, ou mesmo como tendo um alto padrão de conhecimento, mas que não resulta da aplicação de métodos científicos.” O site Skeptic’s Dictionary (Dicionário Cético) é mais sucinto ainda: “A pseudoscience is a set of ideas put forth as scientific when they are not scientific” ou “Uma pseudociência é um conjunto de ideias que se propõem como, mas que não são.”

O que seria então uma pseudociência? Em um sentido mais restrito, é apresentar uma ideia que se propõe como científica, mas que não foi alcançada via método científico. O sucesso indiscutível da ciência moderna criou um campo inesgotável de oportunidades para charlatões, mentirosos e aproveitadores ganharem dinheiro e fama em cima da ingenuidade alheia.

Os espíritas podem ficar revoltados, mas espiritismo É SIM pseudociência. Muitos dizem que não é sequer uma religião, como o blog Irreligiosos, mas não concordo. O espiritismo é uma religião que possui um traço pseudocientista à medida que se propõe originalmente como uma ciência. Vejam nas referências um texto do Grupo de Estudos Espíritas da Unicamp onde eles dizem que espiritismo é, segundo o próprio Alan Kardec, uma ciência. Legal é que no final eles ainda criticam a pseudociência dos seus concorrentes… HA! Pegadinha do Malandro!

O espiritismo se propõe a alcançar verdades sobre o mundo de forma científica e, para não dar muito na cara que não é bem assim, FINGEM que estão fazendo isso. Alguém aí já viu papers espíritas com experimentos em condições controladas que foram reproduzidos por pessoas independentes? Alguém já viu experimentos “espíritas” que podem ser confirmados por pessoas de qualquer religião, de modo que qualquer um chegue às mesmas conclusões que eles? Alguém já viu equações ou leis do espiritismo? Alguém sabe quais as principais teorias do espiritismo e quais são as evidências que as suportam? Mas com certeza já viram textos espíritas falando de ectoplasmas, teoria da relatividade, big bang, astronomia, termos técnicos da biologia evolutiva etc

A verdade é que eles dizem qualquer bobagem com um linguajar científico e vendem como se fosse ciência. Qualquer um pode pegar um texto, recheá-lo de termos técnicos, citações e referências e depois dizer que fez ciência. A homeopatia é especialista nisso: abusa desse expediente até falar chega, mas apresentar resultados que é bom, nada. O Bule Voador tinha uma série até legal sobre o assunto, mas parece que eles estão com problemas com seu banco de dados. Mas exemplos é o que não faltam, como as Terapias Quânticas ou o Feng Shui. As primeiras são geralmente massagens usando pedras que “interagem com seu corpo através de forças quânticas propiciando resultados que os métodos da perversa ciência convencional jamais sonhariam em alcançar”. Os segundos são design de interior com um toque zen pseudocientífico.

Mas não são só ideias que se propõem confessadamente como científicas, mas que na verdade não são, que são pseudociência. Ideias que tentam se basear em ciência mas que só fazem meia dúzia de referência a textos escolhidos a dedo e interpretados de forma duvidosa também o são, em um sentido mais amplo. Um exemplo são os Pick Up Artists, vulgos PUAs, que vendem auto-ajuda em relacionamentos usando alguns textos de psicologia evolutiva como base para sua metodologia. Na verdade, não usam porr4 nenhuma. Eles dizem algo como: “Olá a todos, nosso produto foi desenvolvido tendo como base a psicologia evolutiva e por isso te trará excelentes resultados! Não deixe de nos pagar bastante dinheiro por esse produto de auto-ajuda que de científico só tem o rótulo!”

A verdade é que se você inventa uma teoria qualquer e coloca nas suas justificativas textos científicos corretos mas que não têm absolutamente nada a ver com o que você está falando, então você também está agindo como um pseudocientista, pois tenta aumentar a legitimidade do que diz na carona dos conhecimentos estabelecidos de forma séria. Um exemplo são pessoas que defendem pontos de vista político usando psicologia ou biologia. A psicologia pode estudar porque pessoas preferem determinadas ideologias a outras ou porque tendem a agir de determinadas formas durante as eleições, mas jamais pode dizer qual ideologia política é correta pois isso foge do seu escopo. Diferenças epistemológicas, saca? Psicologia não pode ser usada para validar/refutar ideias fora de seu escopo. Se quiser debater política, use teorias da Filosofia Política ou da Administração Pública, não da psicologia* ou da biologia**.

Em suma, pseudociência significa usar a palavra ciência ou os conhecimentos da ciência de forma inadequada para aumentar artificialmente a confiabilidade de uma ideia. Ocorre tanto quando o idealizador declara estar fazendo ciência quanto quando ele não declara. E ocorre tanto quando a ideia defendida se diz científica quanto quando ela não se diz. Senão, basta o cara agir de forma pseudocientífica e depois dizer: “mas eu não estava propondo uma teoria científica…” Esse é claramente um estratagema, pois o que está em discussão é o aumento artificial da credibilidade ao citar teorias científicas que não corroboram diretamente suas ideias. O importante é verificar se a pessoa tentou pegar carona na ciência de forma indevida.

Os métodos e critérios para diferenciar ciência de pseudociência são uma área da Filosofia da Ciência chamada “Critérios de Demarcação”. O segundo post dessa série será uma introdução sobre esse tema.

Referências:

Wiki: Pseudociência
Skeptic’s Dictionary: Pseudociência
Blog IRRELIGIOSOS – Espiritismo: Ciência, Pseudociência, Filosofia ou Doutrina Religiosa?
Grupo de Estudos Espíritas da UNICAMP: Ciência Espírita
PUAs

* Dizer que uma crença é inválida pela forma com que foi adquirida é implorar para cometer uma Falácia Genética. Essa falácia existe sim, mas devemos ter sempre muito cuidado com ela: por ser um assunto complicado, nos embananamos nela com frequência. Neste assunto em específico, devemos sempre nos perguntar: “as pessoas que possuem o pensamento político X estão erradas só porque X é fruto de um processo psicológico Y que acabei de citar, ou porque é fruto de um processo psicológico Y que representa uma fraqueza humana (como medo) ou porque ela não resolve adequadamente o problema que se propõe a resolver?” Eu sou favorável a só enxergar questões políticos sob a terceira óptica. Soluções devem solucionar… e ponto. Pouco importa se são sustentadas por processos psicológicos decorrentes de falhas humanas.
** Hitler usava a biologia (ou uma visão distorcida da mesma) para defender ideais políticos! Quem quiser fazer isso, preste bastante atenção… é caminhar sobre gelo fino.