Arquivo da categoria: Engenharia

Entendendo a falácia da falta de engenheiros no mercado

Autor: Luciano Netto de Lima
Publicado Originalmente em: Entendendo a falácia da falta de engenheiros no mercado (Blog ExastasMentes) em 04/JUL/13.

O mercado aquecido sente falta de profissionais

As principais revistas e jornais vem anunciando incessantemente a falta de engenheiros no Brasil. Porém, para os engenheiros, desde os recém-formados aos que tem 25 anos de experiência, é um consenso que esta informação não confere no cenário nacional. Diante desta situação fica a dúvida: Que escassez é essa?

Continuar lendo Entendendo a falácia da falta de engenheiros no mercado

Vida de professor é fácil?

================================================================
Título Original: Tendências/Debates: Como é fácil a vida dos professores
Autor: ALBERTO CARLOS ALMEIDA
Publicado Originalmente em: Folha de São Paulo – 06/10/2012 – 03h30
================================================================

Faltam metas de produtividade aos docentes das universidades públicas?

SIM

A principal avaliação, senão única, à qual são submetidos os professores de nossas universidades federais ocorre por meio das pós-graduações. A quantidade e qualidade de suas produções científicas é medida, e a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) confere notas para cada curso de pós-graduação.

A distribuição de recursos entre as pós-graduações ocorre de acordo com tais notas: quanto mais elevada elas são, mais acesso a bolsas de estudo, financiamentos para viagens etc. tais cursos recebem. É muito pouco, considerando-se o quanto nós brasileiros, todos, inclusive os mais pobres, pagamos para sustentar este enorme sistema público universitário.

Fui professor do departamento de ciência política da Universidade Federal Fluminense entre 1993 e 2005 e tive a chance de ser testemunha ocular de como é fácil a vida dos professores de universidades púbicas.

Não há um rigoroso controle externo sobre o que é feito ou o que se deixa de fazer. Se falta isso, imagine metas de produtividade.

Vi em muitas oportunidades vários professores deixarem de dar inúmeras aulas e nada acontecerem com eles. Os alunos não têm a quem recorrer. Eles podem reclamar com o respectivo departamento de ensino ao qual o professor está vinculado. Como são todos pares e muitas vezes um professor pode precisar do apoio político de outro, eles nada fazem para coibir os faltosos.

Não dar aulas é um mal visível. Há os menos visíveis, porém com consequências muito negativas.

Muitos professores dão aulas, mas enrolam: iniciam 15 minutos mais tarde e terminam 15 minutos mais cedo do que o horário regular, ficam dando suas opiniões pessoais em sala de aula em vez de ensinar conteúdos, não se atualizam com a finalidade de melhorar seus cursos etc. A falta de cobrança externa resulta em acomodação e, em muitos casos, a preguiça se manifesta.

Sendo assim, a primeira meta a ser estabelecida é tão óbvia quanto necessária: dar todas as aulas do início ao fim com conteúdo denso e útil para os estudantes.

Isso se mede por meio da produtividade: é preciso que seja estabelecido um rigoroso processo de avaliação do estudante, por meio de indicadores, desde quando ele entra na universidade até os primeiros anos após sua formatura, com a entrada no mercado de trabalho.

Tenho tido a chance de trabalhar em um projeto que faz exatamente isso, o projeto Siga realizado pela Unianhanguera, e os benefícios são evidentes. Indicadores desta natureza permitem detectar e identificar as causas de problemas como estudantes desestimulados e evasão.

Os professores das universidades federais não querem esse tipo de avaliação, pois seria fazer um raio-X sobre o resultado de seu trabalho. Eles não querem ser controlados.

O nosso sistema de universidades federais custará em 2012 quase R$ 28 bilhões. Um sistema tão caro precisa dar uma grande contribuição ao país. Não é isso que vemos.

Os professores são juridicamente funcionários públicos, e grande parte deles se comporta como tal no sentido pejorativo da expressão: não trabalham ou trabalham muito pouco.

É por isso que o resultado do que eles fazem precisa de controle externo por meio de avaliações abrangentes e rigorosas, que incluam metas de produtividade a elas vinculadas, e os recursos precisam ser alocados em função de tais avaliações.

Há um conflito de interesse: os professores não querem isso, e a sociedade quer que o recurso que ela coloca nas universidades seja utilizado de maneira eficiente. Por enquanto, quem tem vencido esse conflito são nossos professores funcionários públicos.

ALBERTO CARLOS ALMEIDA, 46, doutor em ciência política, é sociólogo e autor de “A Cabeça do Brasileiro” e “O Dedo na Ferida: Menos Imposto, Mais Consumo” (ambos pela Record)

Os decepcionantes níveis da educação brasileira e seus reflexos no crescimento econômico

================================================================
Título Original: Tendências/Debates: O verdadeiro gargalo de engenheiros
Autores: FERNANDO PAIXÃO e MARCELO KNOBEL
Publicado Originalmente em: Folha de São Paulo – 09/09/2012 – 19h14
================================================================

Entre as questões em debate em educação, destaca-se hoje a quantidade de profissionais em áreas de ciência e tecnologia. Muitos propõem formar mais engenheiros e mais professores de química e física criando vagas no ensino superior para essas carreiras. Essas propostas são importantes, mas não levam em consideração limitações dos alunos.

O que de fato limita a qualidade e o número de formandos nas áreas de ciências exatas e tecnológicas? Dados do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) apontam que a maior restrição está no número de jovens com habilidades mínimas em matemática.

Os resultados de avaliações internacionais tendem a repercutir entre nós apenas pela constatação de que estamos nas últimas colocações. Mas o Pisa vai muito além: fornece dados valiosos sobre o desempenho dos jovens de 15 anos.

O exame de 2009 foi feito por aproximadamente 470 mil alunos de 15 anos pelo mundo. A amostra representa 26 milhões de alunos de 65 países. Cada exame avalia três áreas –leitura, matemática e ciências– e estabelece seis níveis de competência.

Para uma ideia do que significa um aluno estar em cada um desses níveis (ou abaixo de todos), veja abaixo exemplos de questões similares às aplicadas em matemática.

Os dados mostram que 88,1% dos alunos não chegam ao nível 3 –não sabem, portanto, ler gráficos. Além disso, 96,1% não conseguem explicar o que ocorre numa troca de moeda se a taxa mudar. Mais do que impossibilitados de estudar economia, poderiam ser enganados com facilidade em qualquer outro país.

A distribuição limita o percentual dos nossos jovens em áreas que exijam competências mínimas em matemática, classificados do nível quatro para melhor. Só 3,8% dos participantes brasileiros do Pisa alcançaram esse desempenho.

Considerando que a população de jovens com 15 anos no Brasil é de aproximadamente 3,2 milhões, teríamos, no máximo, cerca de 122 mil jovens aptos para às carreiras de exatas. Esse número ainda cai no final do ensino médio, porque evidentemente há estudantes com habilidades mínimas que optam por outras carreiras profissionais.

Em 2011, o Ministério da Educação anunciou que dobraria as vagas de engenharia. Mas, em 2009, os 1.500 cursos existentes ofereciam 150 mil vagas ao ano, tinham 300 mil matriculados (embora as vagas permitissem até 750 mil, já que o curso dura cinco anos) e formaram 30 mil.

Uma alta evasão, para a qual contribui o déficit de habilidade matemática que o Pisa evidencia. Com conhecimentos tão pequenos de matemática, não surpreende que os alunos tenham dificuldades já no ensino médio. Um exemplo: para acompanhar gráficos nas aulas de física.

A Austrália tem 38,1% dos seus alunos no nível quatro ou superior na avaliação de matemática do Pisa; o Canadá, 43,3%; a Coreia do Sul, 51,8%. O Brasil tem 3,8%. Esses países têm proporcionalmente pelo menos dez vezes mais alunos aptos para as áreas de exatas e tecnológicas. Mesmo com uma população bem menor, a Coreia pode formar muito mais engenheiros do que nós.

A política educacional dos últimos 20 anos tem sido colocar os alunos na escola, uma etapa importante. Hoje, o desafio é melhorar, e muito, a qualidade do ensino fundamental. No momento em que se discute um novo Plano Nacional de Educação, deveríamos propor ações concretas para atacar a raiz do problema.

FERNANDO PAIXÃO, 63 físico, é professor do Instituto de Física Gleb Wataghin da Unicamp
MARCELO KNOBEL, 44, físico, é professor do Instituto de Física Gleb Wataghin e pró-reitor de graduação da Unicamp

Craig x Ehrman – Uma Análise, Parte 1: O Erro Matemático Escandaloso de Craig

Hoje vou fazer uma análise do argumento que WL Craig apresentou em sua primeira Refutação no debate contra Ehrman. Neste post, o Bruno resumiu o argumento dele da seguinte forma:

Quando se leva as demais probabilidades em conta, como o numerador (parte de cima) aparece no denominador somado com outro termo, então pode-se reescrever a equação da seguinte forma:

Onde X = Pr(R|B) x Pr(E|B & R) e Y = Pr(¬R|B) x Pr(E|B & ¬R). Neste caso, se Y for muito pequeno, então a probabilidade de Pr(R|B & E) se torna aproximadamente X/X = 1, ou seja, quanto menor Y, maior a certeza de que Jesus tenha ressuscitado. Ehrman não pode ignorar este termo e tem a obrigação demostrar que existe uma explicação naturalística alternativa à ressurreição.

Ao erro de Ehrman de ter ignorado Y, Craig chamou de “Erro Escandaloso de Ehrman.”

O grande erro de Craig foi afirmar que a equação acima depende principalmente de Y. Nada mais falso. Quem “manda” nessa função é outro rapaz. Vamos ver com calma essa história. Antes de mais nada, a equação tem a seguinte forma:

Dividimos tanto o numerador quanto o denominador por X da seguinte maneira:

que por sua vez resulta em:

Agora, transformamos a razão Y/X em uma só variável, R, dessa forma:

Achou complicado? Aha! Agora você está sentindo falta das aulas de matemática, né? Aposto que está! Mas eu vou explicar para vocês: isso quer dizer que p depende apenas de R = Y/X. Ele não depende nem de X e nem de Y individualmente, mas da unicamente da razão entre eles. Em outras palavras, Y pode ser pequeno o quanto for que mesmo assim gerará um p grande quando X for menor ainda.

Vejam bem. Se Y<X então R será o resultado de um número dividido por um número maior. Considerando que ambos sejam positivos (afinal, neste caso específico são probabilidades e não existe probabilidade negativa), sabe-se que o resultado da divisão de um número por um número maior sempre resulta em um número maior que zero e menor que um. No limite inferior, p = 1/(1+0) = 1 e no limite superior, p = 1/(1+1) = 0,5. Isso quer dizer que p será maior que 50% e menor que 100%. Importante: p só será 100% quando Y for nulo. Qualquer valor não-nulo de Y torna p menor que 100%. Para ficar mais bonito ainda, se Y<X então p provavelmente é verdadeiro.

Analogamente, se X<Y então R será o resultado de um número dividido por um número menor, ou seja, R será maior do que 1. Deste modo, no pior dos casos, quando Y é ligeiramente superior a X então p será ligeiramente menor que 50%. Já quando Y for muito maior que X, R começará a se tornar um número muito grande também e p será cada vez menor. No limite, temos que se X vale zero, então p também valerá zero (é mais fácil ver isso na primeira equação). Para que o Zé da Feira entenda, se Y>X então p provavelmente é falso.

Tá duvidando? Pega a calculadora do Windows aí. Pegue um Y absurdamente pequeno, algo ao redor de 0,000001. Calcule p para a) X = 0,1 e b) X = 0,000000000001. Façam as contas usando a primeira equação e a equação com R para verem como bate. Quais os resultados? a) 0,99999 (99,9%) e b) 9,999e-7 (quase 0%).  Qual a conclusão à qual chegamos? Y pode ser pequeno o quanto for, se X for menor que ele, então p poderá ser quase zero. Craig havia dito que um Y pequeno só poderia levar a um p igual a aproximadamente 1. Acabei de mostrar que também pode levar a quase zero.

Craig acusa Ehrman de ignorar Y. Mas ele mesmo acaba ignorando X. A análise matemática dessa questão diz que dependemos da razão R entre Y e X e somente disso. Este é o Erro Matemático Escandaloso de Craig.

Em termos usados no debate, isso significa simplesmente que se uma explicação natural (Y) for mais provável do que a ressurreição (X), então esta hipótese (p) é improvável – Jesus provavelmente não ressucitou. Mas se a explicação natural for menos provável, então p será grande – Jesus provavelmente ressucitou.

Óbvio, não? Mas não se pode tirar nenhuma outra conclusão a partir desta análise. E sem querer puxar a sardinha, era exatamente isso que Ehrman tinha dito no seu discurso de abertura: que historiadores acreditam naquilo que é mais provável.

Não existe absolutamente nenhum erro conceitual matemático no uso de probabilidades no discurso de Ehrman. Não adianta, meus caros, não há. Se Ehrman cometeu algum erro, foi quando afirmou que a hipótese naturalista era mais provável do que a da ressurreição. Isso sim está em discussão, isso sim é o tema do debate. A própria equação de Craig – quando interpretada corretamente e não da maneira falaciosa que ele fez – concorda que a questão é saber quem é mais provável.

Mais uma vez: Craig afirma que devemos preocupar apenas com Y – a chance da hipótese naturalista ser correta. Ele diz que um Y pequeno fará um p grande e que portanto ele é a principal variável da equação, mas isso é falso. A interpretação matemática que ele fez da equação está errada e a interpretação correta não diz nada que ninguém já não soubesse.

Craig distorceu algo trivial a seu favor e cometeu um Erro Matemático Escandaloso, para não dizer coisa pior.