Os estagiários e estagiárias brasileiros e brasileiras estão sendo explorados e exploradas por seus patrões e suas patroas

É incrível como certas ideias são tão toscas que nem seus defensores as levam a sério. Militam por causas que, por lá no fundo saberem que são erradas, eles mesmos acabam negligenciando. Deem uma olhada rápida neste artigo sobre estagiários do Jusbrasil, que é um excelente exemplo. Continuar lendo Os estagiários e estagiárias brasileiros e brasileiras estão sendo explorados e exploradas por seus patrões e suas patroas

Uma fábula: o homem e o cavalo

Uma fábula: o homem e o cavalo

Um homem tinha um cavalo para levá-lo a todos os lugares. Um dia, ele encheu as costas do cavalo com 30 sacos grandes e pesados de café e o fez andar por quase um dia inteiro até onde ele pudesse vender a mercadoria. Quando estava quase terminando a jornada, o cavalo se deu conta que não precisava fazer isso, derrubou tudo de cima dele, o homem inclusive, e disse: “abaixo a cultura de escravizar cavalos!” Então, ele começou a enviar cartas para seus amigos cavalos, dizendo a eles que todos deveriam ser contra a cultura de escravizar cavalos, e que cada cavalo que recebesse a carta deveria reenviá-la para outros 2 cavalos que não a tivessem recebido. Um belo dia, todos os cavalos do mundo já tinham recebido sua carta, e nenhum cavalo jamais foi escravizado por outro homem novamente. FIM.

Vamos à escola para nos divertir ou para estudar?

Uma aula super-divertida! Ebaa!!!

Em que fossa a pedagogia moderna resolveu se enfiar, hein?

Tyler DeWitt, um jovem e novato professor de biologia cheio de energia, descobriu que suas aulas não estavam ajudando os alunos em nada. Então, para os alunos ficarem felizes, ele “desenvolveu um método” super-criativo de “lecionar”: contar historinhas. Vejam ele performando um pequeno exemplo de sua aula super divertida e fazendo uma defesa dessa abordagem em uma palestra do TED, a maior plataforma mundial de viralização de ideias de jerico que esse mundo já viu.

Continuar lendo Vamos à escola para nos divertir ou para estudar?

Deixemos de ser estúpidos: aumentar penas não resolve o problema da violência!

Abaixo um par de textos escritos pelo doutor em direito penal Luiz Flávio Gomes para a coluna Última Instância do portal UOL. Neles, Gomes defende a tese de que maiores penas não diminuem a criminalidade. Continuar lendo Deixemos de ser estúpidos: aumentar penas não resolve o problema da violência!

%d blogueiros gostam disto: